domingo, 10 de dezembro de 2017

Toronto FC campeão da MLS Cup de 2017



Toronto FC conquistou o título da Major League Soccer Cup de 2017 derrotando o Seattle Sounders por 2-0 na re-edição da final da temporada passada. A equipe canadense dominou o jogo inteiro anulando completamente o Sounders e criando inúmeras chances de gol obrigando Stefan Frei a fazer defesas difíceis, ele foi o melhor jogador do Sounders e impediu que sua equipe levasse uma goleada. Os gols foram marcados por Jozy Altidore e Víctor Vázquez, Sebastian Giovinco fez uma boa partida, mas o melhor em campo, na verdade o melhor jogador na fase dos playoffs foi Michael Bradley que fez uma performance muito sólida na marcação no meio-campo e na ligação da defesa para o ataque.

Toronto FC foi a melhor equipe da temporada regular com um recorde de vinte vitórias, cinco derrotas e sete empates. O time canadense teve o melhor ataque da Major League Soccer com setenta e cinco gols marcados.Toronto FC também teve um bom aproveitamento defensivo tendo a segunda melhor defesa da liga com trinta e sete gols sofridos. Toronto FC foi o time que mais venceu como mandante e visitante, também foi a franquia que conquistou mais vitórias na temporada de 2017.

Toronto FC fez a melhor temporada de sua história conquistando a tríplice coroa vencendo a Major League Soccer Cup, MLS Supporters' Shield e a Canadian Championship. A equipe do Canadá tem um elenco muito consistente principalmente no meio-campo e no ataque formado por Michael Bradley, Víctor Vázquez, Sebastian Giovinco e Jozy Altidore. Greg Vanney faz um excelente trabalho como treinador, ele soube aproveitar muito bem a qualidade técnica de sua equipe e também é responsável pelo bom sistema tático do time.

Artilheiros  

1.Sebastian Giovinco: 17
1.Jozy Altidore: 17
2.Victor Vazquez: 10
3.Justin Morrow: 8
4.Tosaint Ricketts: 7
5.Marky Delgado: 3
5.Nicolas Hasler: 3
6.Jonathan Osorio: 2
6.Jordan Hamilton: 2
6.Drew Moor: 2
7.Raheem Edwards: 1
7.Ashtone Morgan: 1
7.Eriq Zavaleta: 1
7.Jay Chapman: 1
7.Benoit Cheyrou: 1

Líderes em assistências

1.Victor Vazquez: 17
2.Sebastian Giovinco: 7
3.Jozy Altidore: 6
4.Steven Beitashour: 5
5.Marky Delgado: 5
6.Jonathan Osorio: 4
7.Ben Spencer: 2
7.Armando Cooper: 2
7.Chris Mavinga: 2
7.Michael Bradley: 2
8.Jordan Hamilton: 1
8.Tsubasa Endoh:1
8.Nicolas Hasler: 1
8.Tosaint Ricketts: 1
8.Drew Moor: 1
8.Justin Morrow: 1

Líderes em Shutouts

1.Alex Bono: 13
2.Clint Irwin: 3


Curiosidades 

O Toronto FC fez sessenta e nove pontos nesta temporada quebrando o recorde da Major League Soccer por pontos em uma única temporada do LA Galaxy de 1998 que fez sessenta e oito.

A a última vez que uma equipe de Toronto ganhou um troféu da First Division foi há quarenta e um ano atrás.

Toronto FC foi o terceiro time canadense a conquistar a First Division, o primeiro foi o Toronto Metros / Blizzard (NASL) em 1976 e o segundo foi o Vancouver Whitecaps (NASL) em 1979. Montreal Impact seria foi campeão da American Professional Soccer League (APSL) mas a liga nunca foi considerada oficialmente como primeira divisão.

Sebastian Giovinco tornou-se o jogador que mais fez gols (14) de falta na Major League Soccer.

Toronto FC foi o terceiro time que mais fez assistências na liga em 2017.

Nicolas Hasler é o primeiro jogador de Liechtenstein a jogar na Major League Soccer.

Toronto FC foi a primeira franquia canadense a conquistar a MLS Supporters' Shield.

Toronto FC foi a primeira franquia canadense a tríplice coroa.

Toronto FC teve uma média de público de 27,647 em 2017, foi a melhor média de público da história do clube.

Toronto FC  conquistou a sua maioria série de vitórias consecutivas na história, foram seis: 21 de abril de 2017 - 19 de maio de 2017 e 12 de agosto de 2017 - 20 de setembro de 2017.

quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

USL 2017 Temporada



A temporada de 2017 foi a sétima da United Soccer League (USL) e a quinquagésima da segunda divisão do sistema de ligas dos Estados Unidos e Canadá. Louisville City FC conquistou o título neste ano derrotando o Swope Park Rangers (time afiliado ao Sporting Kansas City/MLS) na final por 1-0. O gol solitário foi marcado pelo atacante inglês Cameron Lancaster. Foi a primeira conquista do Louisville City na United Soccer League no terceiro ano da franquia na liga.

A equipe de Kentucky fez uma performance sólida na temporada regular ficando em primeiro lugar na Eastern Conference com um recorde 18-6-8 (V-D-E). Louisville City FC marcou sessenta e cinco gols (temporada regular e playoffs) tendo o segundo melhor ataque da liga. A defesa sofreu trinta e dois gols e foi a quarta melhor da competição.

Real Monarchs conquistou o título da temporada regular, a equipe de Utah fez uma excelente temporada com um recorde de 20-5-7 (V-D-E). San Antonio FC também fez uma grande temporada sofrendo apenas vinte e quatro gols em trinta e dois jogos. New York Red Bulls II que foi o campeão da liga na temporada passada fez um bom campeonato chegando na semifinal e sendo eliminado pelo Louisville City FC.

Reno 1868 FC fez uma performance magistral protagonizando uma das melhores temporadas de estréia na história do esporte profissional. A equipe da Califórnia quebrou uma série de recordes e terminou em terceiro lugar na Western Conference graças ao trabalho fenomenal do treinador Ian Russell  que merecia ganhar o prêmio de treinador do ano da USL.

Artilheiros  

1.Dane Kelly: 18
2.Chandler Hoffman:16
2.Enzo Martinez: 16
4.José Angulo: 15
4.Romario Williams: 15 
5.Kharlton Belma:14
5.Corey Hertzog: 14

Líderes em assistências

1.Chris Wehan: 12
2.Vincent Bezecourt: 11
3.Marcel Schäfer: 11
4.Maikel Chang: 10
4.Irvin Parra: 10

Líderes em Shutouts

 1.Diego Restrepo: 12
2.Tomas Gomez: 11
3.Odisnel Cooper: 10
4.Matt Bersano: 9
4.Fabián Cerda: 9  


Prêmio individuais 

Most Valuable Player: Dane Kelly 
Rookie of the Year: Chris Wehan
Defender of the Year: Sebastien Ibeagha 
Goalkeeper of the Year: Diego Restrepo 
Coach of the Year: Mark Briggs 

USL All Stars: Primeiro Time

G: Diego Restrepo. 
D: Paco Craig, Harrison Delbridge, Sebastien Ibeagha e Forrest Lasso.
M: Marcel Schäfer, Sebastian Velasquez e Chris Wehan.
F: Chandler Hoffman, Dane Kelly e Enzo Martinez.

USL All Stars: Segundo Time

G: Earl Edwards Jr.
D: Ryan Felix, James Kiffe, Taylor Mueller e Jimmy Ockford.
M: Vincent Bezecourt, Billy Forbes e Justin Portillo.
F: Juan Pablo Caffa, Corey Hertzog e Romario Williams.

Curiosidades

Reno 1868 FC quebrou o recorde de maior vitória na história da liga derrotando o LA Galaxy II por 9-0.

Reno 1868 FC quebrou o recorde de mais gols marcados numa única temporada na United Soccer League.

Real Monarchs conquistou nove vitórias consecutivas mais do que qualquer outra equipe na liga.

San Antonio FC foi a equipe que ficou mais tempo invicta, foram quatorze jogos de invencibilidade.

A vitória do New York Red Bulls II sobre o Orlando SC B por 6-5 foi o jogo com mais gols na temporada.

O jogo com o maior público foi entre FC Cincinnati e NYRB II no Nippert Stadium, 30,417 torcedores assistiram a partida.

Portland Timbers 2 sofreu seis derrotas consecutivas tornando-se a equipe com a maior série de derrotas da liga. 

Cinco jogadores da United Soccer League jogaram na Gold Cup e 2017, são eles: Mark-Anthony Kaye (Canadá), Junior Burgos (El Salvador), Sergio Campbell (Jamaica), Romario Williams (Jamaica) e Cory Burke (Jamaica).

Dane Kelly foi o primeiro jogador a chegar marca de cinquenta gols marcados na United Soccer League.

Jorge Herrera foi o segundo jogador a chegar marca de cinquenta gols marcados na United Soccer League.

Louisville City FC disputou a sua terceira semifinal consecutiva, neste ano a equipe de Kentucky se vingou do NYRB II que eliminou Louisville City FC na semifinal na temporada passada.

Pela primeira vez na história da United Soccer League as duas semifinais terminaram na decisão de pênaltis.

terça-feira, 7 de novembro de 2017

Estados Unidos vs. Portugal (Amistoso)



Estados Unidos enfrenta a seleção portuguesa nessa terça feira no dia quatorze de novembro no Estádio Dr. Magalhães em Portugal. Será o primeiro jogo dos yankees após a não classificação da seleção americana para Copa do Mundo de 2018 na Rússia. Também vai ser o primeiro jogo do treinador interino Dave Sarachan no comando do U.S. Team.

Estados Unidos e Portugal se enfrentam por seis vezes, os americanos tem um recorde de duas vitórias, duas derrotas e dois empates. Os dois jogos mais notáveis foram disputados em Copas do Mundo. O primeiro em 2002 no qual a seleção americana venceu Portugal de Luís Figo por 3-2, segundo em 2014 que terminou num empate de 2-2.

Dave Sarachan convocou vinte e um jogadores para o amistoso contra Portugal formando uma equipe com jogadores jovens com base na Europa. O treinador interino aproveitou essa partida amistosa para fazer experiências chamando jogadores interessantes com muito potencial como Josh Sargent, Weston McKennie e Tyler Adams.

A maior ausência é Christian Pulisic que foi deixado de fora da lista dos convocados por Sarachan para preservar o jovem jogador que teve um ano longo com a seleção americana e pelo Borussia Dortmund.

Outras ausências foram: Christian Ramirez que foi um dos artilheiros da Major League Soccer nesta temporada, Matt Hedges que é um dos melhores zagueiros da Major League Soccer e nunca recebeu um cartão vermelho. Paul Arriola que fez boas performances nos últimos jogos da seleção americana não foi convocado por lesão.

Convocados (Clubes; Jogos/Gols):

Goleiros (3): Jesse Gonzalez (FC Dallas; 0/0), Bill Hamid (Midtjylland/DEN; 3/0), Ethan Horvath (Club Brugge/BEL; 1/0).


Defesas (7): John Brooks (Wolfsburg/GER; 32/3), Cameron Carter-Vickers (Sheffield United/ENG; 0/0), Eric Lichaj (Nottingham Forest/ENG; 13/1), Matt Miazga (Vitesse/NED; 3/1), Tim Ream (Fulham/ENG; 26/1), Jorge Villafaña (Santos Laguna/MEX; 14/0), DeAndre Yedlin (Newcastle United/ENG; 48/0).

Meio-campistas (7): Kellyn Acosta (FC Dallas; 16/1), Tyler Adams (New York Red Bulls; 0/0), Alejandro Bedoya (Philadelphia Union; 65/2), Lynden Gooch (Sunderland/ENG; 2/0), Weston McKennie (Schalke/GER; 0/0), Kelyn Rowe (New England Revolution; 3/1), Danny Williams (Huddersfield Town/ENG; 22/2).

Atacantes (4): Juan Agudelo (New England Revolution; 26/3), Dom Dwyer (Orlando City SC; 3/2), C.J. Sapong (Philadelphia Union; 2/0), Josh Sargent (St. Louis Scott Gallagher; 0/0).

Curiosidades:

Estados Unidos e Portugal se enfrentaram pela primeira vez em 1978, na ocasião os portugueses venceram por 1-0.

Doze jogadores têm 24 anos ou menos: (24) Juan Agudelo, John Brooks, DeAndre Yedlin; (22) Kellyn Acosta, Jesse Gonzalez, Ethan Horvath, Matt Miazga; (21) Lynden Gooch; (19) Cameron Carter-Vickers, Weston McKennie; (18) Tyler Adams; (17) Josh Sargent.

Um total de doze jogadores na lista dos convocados jogam no exterior: Inglaterra (6), Alemanha (2), Bélgica, Dinamarca, México e Holanda (um cada).

Alejandro Bedoya é o jogador com mais jogos (65) pela seleção americana na lista dos convocados.

Josh Sargent torna-se o primeiro jogador americano a ser convocado para seleção principal, sub-20 e sub-17 no mesmo ano.

Portugal não vence os Estados Unidos em jogos oficiais há vinte sete anos.

Rick Davis que jogou no folclórico New York Cosmos marcou o primeiro gol da seleção americana em Portugal.

sábado, 21 de outubro de 2017

National Women's Soccer League 2017



Portland Thorns FC conquistou a National Women's Soccer League de 2017 derrotando o campeão da temporada regular North Carolina Courage por 1-0, o gol foi marcado pela meia-campista e atacante Lindsey Horan. Foi o segundo título do Portland Thorns FC na liga que se juntou ao FC Kansas City como as únicas franquias com dois campeonatos conquistados na National Women's Soccer League.

National Women's Soccer League chegou a sua quinta temporada neste ano, o campeão do título do ano passado Western New York Flash não disputou na liga nesta temporada. A franquia de Nova Iorque se mudou para United Women's Soccer que é equivalente a segunda divisão do futebol feminino dos Estados Unidos dando lugar ao North Carolina Courage na National Women's Soccer League de 2017.


North Carolina Courage: Fez uma ótima temporada sendo uma equipe consistente do inicio ao fim da temporada. A equipe tem um meio campo versátil e criativo liderado por Samantha Mewis que é uma jogadora muito promissora e pela estreante Ashley Hatch. Sob o comando de Paul Riley a equipe tem um excelente recorde com dezesseis vitórias, sete derrotas e um empate. A franquia da Carolina teve o quarto melhor ataque com 38 gols marcados e a segunda melhor defesa com 22 gols sofridos.

Portland Thorns FC: Os campeões da National Women's Soccer League de 2017 começaram a temporada com uma má performance mas se recuperam muito bem terminado em segundo lugar na temporada regular quebrando o recorde de vitórias como mandante numa temporada com dez vitórias. A equipe de Portland tem uma defesa muito forte liderada pela zagueira da seleção americana Emily Sonnett e a goleira Adrianna Franch que protagonizou um excelente desempenho em 2017. Jogadoras como Tobin Heath e Julie Ertz formam um meio-campo muito tático e forte defensivamente o que torna o elenco do Portland Thorns FC equilibrado e consistente o que ajudou no título da franquia neste ano.

Chicago Red Stars: Fez um bom inicio de temporada o que contribuiu para a sua classificação para os playoffs nesta temporada. A equipe de Illinois tem um forte elenco e foi o time com mais jogadoras convocadas nos últimos jogos da seleção americana. Destaques para Christen Press que marcou onze gols na temporada regular e para meias-campistas Sofia Huerta que é uma jogadora muito versátil e Julie Ertz que fez uma excelente performance em 2017.

Orlando Pride: O time da Flórida tem duas jogadores de classe mundial, Marta Vieira da Silva (Marta) e Alex Morgan o que resultou num ataque fulminante com quarenta e cinco gols, o melhor da liga. Apesar do excelente time, Orlando teve um inicio irregular na liga mas por ter um elenco diferenciado se recuperou de forma magistral e se classificou para os playoffs.


Artilheiras 

1.Samantha Kerr:17
2.Marta: 13
3.Megan Rapinoe: 12
4.Christen Press: 11
5.Alex Morgan: 9
5.Lynn Williams: 9

Líder em assistêciais

1.Nahomi Kawasumi: 8
2.Meghan Klingenberg: 7
3.Adriana Leon: 6
3.Marta: 6
5.Taylor Lytle: 5
5.Christine Nairn: 5

Líder em Shutouts

1.Adrianna Franch: 11
2.Katelyn Rowland: 8
3.Alyssa Naeher: 6
3 Nicole Barnhart: 6
5.Sabrina D'Angelo: 4
6.Abby Smith : 3

*Números da temporada regular

Prêmios

Most Valuable Player: Sam Kerr (Sky Blue FC)
Golden Boot: Sam Kerr (Sky Blue FC)
Goleira do ano: Adrianna Franch (Portland Thorns FC)
Rookie of the Year: Ashley Hatch (North Carolina Courage)
NWSL Championship MVP: Lindsey Horan (Portland Thorns FC)
Defender of the Year: Abby Dahlkemper (North Carolina Courage)
Treinador do ano: Paul Riley (North Carolina Courage)

Curiosidades:

Samantha Kerr quebrou o recorde de gols marcados numa única temporada na National Women's Soccer League, ela também é a maior artilheira de liga de todos os tempos.

Adrianna Franch bateu o recorde de mais shutouts numa temporada da National Women's Soccer League.

A maldição do Shield continua, nunca uma equipe que ganhou o Shield da National Women's Soccer League conquistou a National Women's Soccer League Championship.

Orlando Pride neste temporada fez quarenta e cinco gols sendo o segundo melhor ataque numa temporada regular de todos tempos. O melhor ataque numa temporada regular é do  Seattle Reign FC que fez cinquenta gols na temporada de 2014.

Orlando Pride protagonizou a maior série invicta com nove jogos de invencibilidade.

O jogo entre Portland Thorns e Chicago Red Stars realizado no dia 30 de setembro foi a partida com o maior público (21,144) da liga em 2017.

Orlando Pride derrotou o Sky Blue FC por 5-0 no dia 12 de agosto, foi a maior goleada na temporada de 2017.

O jogo com mais gols na liga foi entre Seattle Reign FC e Sky Blue FC no dia 22 de julho, a equipe de Seattle venceu o New Jersey por 5-4. Curiosamente, no jogo de volta no dia 19 de agosto, Seattle Reign FC derrotou o Seattle Reign FC pelo mesmo placar.

Portland Thorns FC foi a equipe com a melhor média de publico (17,653) da liga nesta temporada.

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Quem vai ser o próximo treinador da seleção americana?



O veterano treinador Bruce Arena pagou pelos erros de seu antecessor Jürgen Klinsmann e não conseguiu classificar os Estados Unidos para Copa do Mundo de 2018 na Rússia protagonizando o maior fiasco da história da seleção americana que não vai disputar uma Copa do mundo pela primeira vez desde 1986. Com a derrota para Trindade e Tobago o treinador Bruce Arena pediu demissão deixado o cargo livre e a pergunta que surge é quem vai ser o novo treinador da seleção americana?

Fans e mídia clamam por mudanças na United States Soccer Federation pedindo nomes de treinadores estrangeiros como Jürgen Klopp, Marcelo Bielsa, Roberto Martinez, Laurent Blanc, Roy Hodgson e Sam Allardyce. Esses treinadores superstars podem até ser bons profissionais mas nunca viram ou tem algum conhecimento sobre soccer americano então não faz sentido contratar eles só por causa de urros passionais.

Na Major League Soccer tem uma série de excelentes treinadores que poderiam assumir o comando da seleção americana como Peter Vermes, Caleb Porter, Jason Kreis e Gregg Berhalter. Todos foram ex jogadores que representaram a seleção americana. Como treinadores todos tem um desempenho significativo na liga.

Peter Vermes faz uma excelente trabalho no Sporting Kansas City, ele esta há nove anos no comando da equipe de Kansas conquistando uma MLS Cup e três Lamar Hunt U.S. Open Cups. O treinador tem como especialidade desenvolver talentos e na parte tática defensiva.

Caleb Porter é muito inteligente e tem um bom conhecimento tático, ele faz um grande trabalho no Portland Timbers e conquistou a MLS Cup de 2015. Caleb Porter é mais jovem na lista e já teve experiencia internacional entre 2011-2012  quando treinou a seleção sub-23 dos Estados Unidos.

Jason Kreis é um treinador sólido que foi o responsável em levar o Real Salt Lake para um alto nível transformando a equipe de Utah numa das principais franquias da Major League Soccer. Ele conquistou a MLS Cup de 2009 e foi vice campeão da CONCACAF Champions League em 2011 e da Lamar Hunt U.S. Open de 2013.

Gregg Berhalter surgiu como um alternativa, ele fez um bom trabalho no Hammarby IF na Suécia tornando-se o primeiro nascido nos Estados Unidos a treinar um time profissional da primeira divisão na Europa. Gregg Berhalter faz um trabalho consistente no Columbus Crew, ele foi vice campeão da MLS Cup de 2016.

Todos esses treinadores tem contratos com seus clubes o que pode ser um obstáculo para United States Soccer Federation. Outro ponto é que provavelmente eles recusem a oferta do cargo para treinar a seleção americana já que estão seguros com suas equipes na Major league Soccer.

Então afinal qual seria o nome ideal para a seleção americana? A resposta é bem simples, o treinador da seleção americana sub-20 Tab Ramos que tem muito potencial para treinador a seleção principal dos Estados Unidos. Porém o treinador pode ser acusado equivocadamente por não ter experiencia com clubes ou como treinador principal. United States Soccer Federation tem que ignorar essas criticas, um caso semelhante foi com a Dinamarca que contratou Richard Møller Nielsen que passou a maior parte da sua carreira treinado o time de jovens do país escandinavo mas por seu conhecimento conquistou o título da Euro Copa de 1992.

Tab Ramos que tem experiência no programa de jovens da United States Soccer Federation e conhecimento dos jogadores jovens dos Estados Unidos o que é uma grande vantagem. No comando da seleção sub-20 ele tem um recorde de vinte e cinco vitórias, dezessete derrotas e sete empates. Sob o seu comando os Estados Unidos chegou até as quartas de final na Copa do Mundo Sub-20 de 2015 e de 2017 e conquistou o terceiro lugar no Toulon Tournament de 2015.

terça-feira, 17 de outubro de 2017

Columbus Crew de mudança?



Columbus Crew uma das franquias mas tradicionais da Major League Soccer pode se mudar de Ohio para Austin, Texas. Segundo Anthony Precourt proprietário do Columbus Crew desde 2013 a mudança seria motivada por questões de mercado. Austin é uma cidade em potencial já que é a maior área metropolitana da América do Norte sem uma franquia esportiva das grandes ligas. A construção de um novo estádio mais moderno e mais perto do centro e outro fator que pode determinar a possível mudança que está marcada para 2019.

Anthony Precourt mencionou as dificuldades da franquia para seguir os padrões da Major League Soccer e que segundo ele não está seguindo um curso sustentável. Columbus Crew nesta temporada teve uma média de público de 15,439, terceira pior média da liga, no entanto é um bom público. Dentro de campo o time de Ohio apresentou bons resultados e vai disputar os playoffs e um possível título da MLS Cup nesta temporada.

O ponto crucial é a construção de um novo estádio em Ohio ou em Austin, em ambos o grupo do proprietário do Columbus Crew espera ajuda do estado ou de parceiros privados. Caso não conseguir oficializar um contrato para a construção de um estádio na cidade texana a franquia ira permanecer em Ohio. A última mudança de um franquia de uma cidade para outra aconteceu em 2005 quando o San Jose Earthquakes se mudou para Houston coincidentemente também envolvendo uma cidade texana. Na ocasião surgiu uma nova franquia, o Houston Dynamo enquanto os registros/recordes históricos, cores e Logos se mantiveram com o San Jose que ficou num hiato que duraria até o ano de 2008.

Columbus Crew é uma das dez equipes originais da Major League Soccer que teve como fundadores Lamar Hunt que foi um dos maiores visionários do esporte americano e o seu filho Clark Hunt. O time de Ohio construiu o primeiro estádio específico para o soccer na Major League Soccer o Columbus Crew Stadium (hoje conhecido como Mapfre Stadium) que protagonizou diversos marcos histórias para o futebol dos Estados Unidos. Columbus Crew conquistou uma MLS Cup em 2008, três Supporters' Shield em 2004, 2008, 2009 e uma Lamar Hunt U.S. Open Cup em 2002.

Austin é a capital do estado norte-americano do Texas, é uma cidade com um mercado sustentável com muito potencial. Apesar disso a cidade texana não tem tradição no soccer, os times de maior sucesso foram o Austin Aztex FC e o Austin Lone Stars que disputaram nas ligas inferiores dos Estados Unidos.

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

Estados Unidos 1x2 Trindade e Tobago


Estados Unidos precisava apenas de um empate para se classificar para Copa do Mundo de 2018 mas Trindade e Tobago e Alvin Jones destruíram o sonho americano vigando-se do famoso Shot Heard Round the World. The Soca Warriors começaram a partida num ritmo fulminante abrindo o placar aos 17 minutos do primeiro tempo graças a um gol contra de Omar Gonzalez. O jogo se tornaria um pesadelo para os americanos quando Alvin Jones num chute magistral marcou o segundo gol de Trindade e Tobago.

Estados Unidos marcou o seu primeiro gol na partida com Christian Pulisic aos 47 minutos do segundo tempo numa jogada individual, a seleção yakeen depois do gol passou a dominar o jogo criando chances que eram salvas pelo goleiro trinitino-tobaguense Adrian Foncette. Com a derrota e as vitórias de Honduras e Panamá os Estados Unidos vão ficar de fora de uma Copa do Mundo pela primeira vez desde 1986.

A seleção americana fez um péssimo jogo com uma performance pífia em toda partida principalmente no primeiro tempo. O treinador da seleção yankee ignorou as péssimas atuações do zagueiro Omar Gonzalez, do meio-campista Darlington Nagbe e dos atacantes Bobby Wood e Jozy Altidore. No segundo tempo os americanos até ensaiaram uma reação mas não passou de uma réstia de esperança com um fim trágico.

Notas:

Tim Howard: Foi muito inseguro e teve culpa no segundo gol (4,5).

DeAndre Yedlin: Apesar de ter impedido o terceiro gol não fez um bom jogo, falhou na marcação e nos cruzamentos (5,0).

Omar Gonzalez: Fez uma partida desastrosa (2,0).

Matt Besler: Foi seguro (6,0).

Jorge Villafaña: Criou algumas jogadas mas falhou na marcação pelo seu lado (5,5).

Michael Bradley: Não foi um líder, errou na ligação direta (5,0).

Paul Arriola: Não foi efetivo mas merecia ter mais minutos (5,5).

Darlington Nagbe: Não foi criativo, perdeu várias bolas, foi terrível (2,0).

Christian Pulisic: Foi o melhor do time, o único que jogou bem (7,0).

Bobby Wood: Pífio, fez muitas faltas de ataque e não ofereceu perigo ao adversário (3,0).

Jozy Altidore: Fez uma péssima partida, parecia que nem estava em campo (2,5).

Clint Dempsey: Entrou com vontade e arriscou bons chutes (6,5).

Kellyn Acosta: Entrou mas não acrescentou nada ao time (4,5).

Benny Feilhaber: Entrou no fim (sem nota).

Bruce Arena: Sua equipe fez uma  péssima partida, ignorou a pobre performance de alguns jogadores e errou nas substituições (3,0).

Trindade e Tobago: Fez um ótimo jogo e aproveitou os erros dos americanos, Alvin Jones e Adrian Foncette foram os destaques.

Arbitragem: Foi péssima, deixou de marcar um pênalti para Trindade e Tobago.

Curiosidades 
Christian Pulisic marcou o seu terceiro gol em Trindade e Tobago.

Trindade e Tobago marcou gols nos Estados Unidos pela primeira vez desde 2008.

Trindade e Tobago venceu os americanos pela quarta vez.

Estados Unidos não perdia para Trindade e Tobago desde 2008.